ODS 13 Ação Contra a Mudança Global do Clima

13 Ação Contra a Mudança Global do Clima
Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos

INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA

Em consonância com a Política Ambiental da Companhia, que busca a sustentabilidade ambiental, social e econômica em suas atividades, as emissões de gases de efeito estufa (GEE) provenientes das atividades diretas e indiretas da empresa são inventariadas anualmente.

Esta quantificação permite identificar os processos principais de geração de GEE e gerenciá-los, buscando redução ou neutralização. Esta política também contempla a prevenção e redução de riscos e danos ambientais e a melhoria do seu desempenho ambiental dos processos.

O primeiro inventário da Sanepar foi elaborado em 2008, com dados referentes ao ano de 2007. O documento disponível no link abaixo apresenta os resultados obtidos para o Inventário de Gases de Efeitos Estufa (IGEE) relativo ao ano de 2016, o qual aborda todos os sistemas da Sanepar e utiliza como base a experiência acumulada na elaboração das edições anteriores e novas ferramentas disponíveis.

Como nas edições anteriores, este inventário segue a metodologia do Intergorvernamental Panel on Climate Chage - IPCC (2006) e as diretrizes das Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol - EPB, desenvolvidas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em parceria com World Resources Institute (WRI).

Para conhecer mais sobre o histórico de registros da Sanepar (2008-2013), acesse: http://www.registropublicodeemissoes.com.br/

ODS a que respondem: ODS 6 e 13.

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

A Sanepar investe constantemente em inovação, coordena mais de 100 iniciativas voltadas para soluções tecnológicas sustentáveis e inovadoras vinculadas aos temas água, esgoto, resíduos sólidos urbanos, energia e gestão. A companhia mantém o Centro de Tecnologias Sustentáveis e atua em parceria com centros de pesquisa e universidades do Brasil e do exterior. As iniciativas buscam aprimorar processos atuais, como os projetos de eficiência energética, e antecipar tendências, a exemplo do estudo sobre dessalinização da água do mar realizado em conjunto com pesquisadores da University of North Texas (Estados Unidos), da University College London (Reino Unido) e da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG, Brasil). 

ODS a que respondem: Todos os ODS.

CORTINAS VERDES

A cortina verde caracteriza-se pela implantação orientada de um conjunto de indivíduos de duas ou mais espécies arbóreas e arbustivas adaptadas à região e ao solo local, distribuídas em linhas paralelas, formando uma barreira de isolamento no entorno das Estações de Tratamento de Esgoto - ETEs. Com isso a cortina cumpre com seu principal objetivo, que é promover a verticalização dos ventos minimizando a dispersão dos odores gerados pelos processos de tratamento de esgoto. Além do aspecto de minimização de odor, a cortina também deve ser implantada com objetivo ambiental, estético e de segurança, promovendo o isolamento visual e físico da estação, de acordo com a disposição espacial e tipo de espécies utilizadas.

A fim de obter sucesso na implantação efetiva das cortinas verdes, os técnicos da USGA (Unidade de Serviço de Gestão Ambiental) e da USEG (Unidade de Serviço de Esgoto) no início de 2015 tiveram a iniciativa de reaproveitar sucatas de PVC armazenadas nos pátios da Unidade de Serviço de Materiais - USMA, de maneira a gerar redução de custos para a Sanepar e buscar a sustentabilidade. A sanepar deixou de encaminhar para o lixo aproximadamente 1000 metros de tubulação, que atualmente protegem as mudas que compõem as cortinas verdes das estações de tratamento de esgoto de Curitiba e Região Metropolitana. 

Com a utilização deste material, a Sanepar pode economizar cerca de R$70.000,00 por ano com a roteção das mudas, plantadas nas ETEs Fazenda Rio Grande, Cachoeira, Padilha Sul, Contenda, CIC Xisto dentre outras.

A utilização das sucatas de tubulação em volta das mudas, evitam que o fio da roçadeira corte as mudas e comprometa o desenvolvimento da cortina. O uso dos tubos em torno de cada planta também cria ambiente mais limpo e sustentável pelo reaproveitamento dos resíduos. Os pequenos pedaços de tubos são sobras dos serviços de implantação e manutenção das redes.

ODS a que respondem: ODS 3, 11 e 13.

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

A gestão de seus processos em consonância com o uso sustentável dos recursos naturais e com a busca pela conformidade legal são premissas da Sanepar. 

Contribui para isso o Sistema de Gestão Ambiental Corporativo (SGAC), implantado em 2014 e que atua no atendimento aos requisitos e normas legais, no estabelecimento de objetivos, metas e indicadores de monitoramento, na capacitação de profissionais e na melhoria dos controles internos relacionados à gestão ambiental. Baseado nos requisitos da norma ISO14001, foi implementado o processo de certificação interna, que atualmente engloba a Unidade Regional do Litoral, a Unidade de Serviço Eletromecânica Sudeste e todas as estações de tratamento e elevatórias de esgoto da Gerência Geral Região Sudoeste. Contam com a certificação externa pela norma 14001:2004 o sistema de água e de esgoto de Foz do Iguaçu e o aterro sanitário de Cianorte. 

A Companhia saiu à frente de seus pares do setor ao adotar o Sistema de Gestão de Riscos Ambientais, baseado na ISO 31000 e que permite identificar, classificar e tratar riscos ambientais com potencial de causar emergências. Contam com certificação interna o Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba (Saic), os sistemas de água e de esgoto de Londrina, Ponta Grossa, Foz do Iguaçu e Cianorte e o aterro sanitário de Cianorte.

ODS a que respondem: ODS 6, 11, 12, 13, 14 e 15.