ODS 6 Água Potável e Saneamento

6 Água Potável e Saneamento
Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos

COMUNIDADE SANEPAR

Encontros com comunidades, promovidos pela Sanepar, para ouvir os anseios e necessidades e levar informações sobre saneamento.

Nesses encontros as Associações de Moradores dos bairros participam em parceria com a Sanepar, e a pauta dessas reuniões gira em torno das necessidades do bairro, como por exemplo: ampliação de rede, tarifa social, parcelamento de débitos, ligações novas de água e esgoto, entre outros.

A Sanepar participa também dos Mutirões da Cidadania, oferecendo serviços de atendimento ao cliente e informações de educação socioambiental.

ODS a que respondem: 1, 3, 6 e 11.

SERVIÇOS DE SANEAMENTO

Com sede na capital Curitiba (PR) e uma força de trabalho composta por mais de 7 mil empregados, a Sanepar é referência no País em saneamento básico. Oferece uma rede universalizada de abastecimento de água em todos os municípios que atende. No segmento Esgoto, atinge o índice de tratamento de 100% do esgoto coletado antes de lançá-lo aos corpos hídricos.

Os investimentos para manter a atuação de excelência são constantes. Somente em 2017 destinou R$ 880,5 milhões a obras de atualização tecnológica, melhoria e expansão das atividades do complexo operacional Sanepar – composto de Estações de Tratamento de Água (ETA), poços, reservatórios de água, Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) e outros ativos –, que se reverte em ganhos financeiros e ambientais para a Companhia e toda a sociedade.

A Companhia é responsável pela prestação de serviços de saneamento básico a 345 municípios do Paraná e a 291 localidades de menor porte, além de Porto União, município de Santa Catarina, e possui uma rede de 84,6 mil quilômetros de tubulações utilizadas para captação, distribuição de água potável, coleta do esgoto e lançamento do efluente tratado. No segmento de resíduos sólidos, opera aterros sanitários em Apucarana, Cornélio Procópio e Cianorte – esse último atende também os municípios de São Tomé, Terra Boa, Guaporema e Indianópolis.

ODS a que responde: 6.

PRÊMIO INOVA

O Prêmio Inova Sanepar (PIS) é um concurso interno lançado em 2016, que busca estimular a pesquisa sobre energia e saneamento entre os empregados, reconhecer a dedicação do corpo funcional na criação de boas práticas de saneamento, e promover soluções sustentáveis para conservação, racionalização e produção de energia - um dos principais insumos do setor.

Os vencedores da primeira edição apresentaram seus trabalhos no Workshop Nacional de Eficiência Energética no Saneamento, em janeiro de 2017, e suas propostas foram documentadas no livro Eficiência Energética no Saneamento, lançado em comemoração aos 54 anos da Sanepar.

ODS a que respondem: ODS 6, 7 e 9.

DESAFIO HÍDRICO

O concurso interno Desafio da Conservação dos Recursos Hídricos, criado em 2016, tem o objetivo de selecionar a ação mais criativa e cooperativa em prol da revitalização e conservação dos recursos hídricos nas bacias paranaenses: Iguaçu, Tibagi, Ivaí, Paraná, Piquiri, Pirapó, Litorânea e Cinzas. Empregados, familiares e comunidade dos municípios onde estão sediadas as unidades regionais da Sanepar são envolvidos na execução de ações cooperativas sustentáveis, posteriormente avaliadas de acordo com seu impacto e alcance.

As Gerências podem se unir para realizar ações em conjunto, devendo ser definido uma gerência para inscrição do trabalho e as demais como cooperadora(s).

As unidades participantes concorrem aos prêmios de: R$ 50 mil, para o 1º lugar, R$ 30 mil, para o 2º lugar e R$ 20 mil, para o 3º lugar. O prêmio deve ser usado na própria unidade, para reformas ou adequações das áreas comuns da gerência vencedora.

ODS a que respondem: ODS 6, 9, 11 e 14.

PROJETO SINALIZAÇÃO DE MANANCIAIS

O projeto Sinalização de Mananciais visa alertar aos motoristas, principalmente os que transportam produtos perigosos, passíveis de contaminar os cursos d’água.

O objetivo é evitar acidentes que comprometam o abastecimento público. Para isso, placas são instaladas no início e no final dos trechos de estrada que cortam cada uma das bacias utilizadas pela Sanepar para a captação de água.  

Atualmente, a Sanepar conta com 152 captações de água em rios que podem ser atingidos por sinistros durante o transporte de produtos químicos perigosos para a saúde humana. Os mananciais cortados por rodovias ou ferrovias representam 60% do total.

O projeto é uma iniciativa da Sanepar em parceria com as concessionárias de rodovias, Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Foram sinalizadas rodovias que cortam 133 bacias de mananciais em todas as regiões do Paraná, com um total de 890 placas instaladas.

São beneficiados com o projeto os maiores e os menores municípios atendidos pela Sanepar.

ODS a que respondem: ODS 6 e 14.

TREINAMENTOS

A empresa realiza sistematicamente, palestras, cursos, workshops, atividades de qualificação profissional e desenvolvimento pessoal para participação de empregados interessados mediante inscrição prévia.

Alguns exemplos das práticas adotadas:

  • CAGE – Programa de Atualização e Capacitação Gerencial, programa este que visa o aperfeiçoamento do Corpo Gerencial em parceria com a PUC/PR, sendo este um curso em nível de Pós Graduação.  
  • EAD – Programa de Educação Corporativa a Distância da Sanepar, que visa o aperfeiçoamento constante dos empregados, através de plataforma própria.

ODS a que respondem: ODS 3, 4 e 6.

DUCHAS ECOLÓGICAS (CHUÁ)

Este projeto é uma ação da Sanepar em sua participação na Operação Verão no Litoral, junto com vários órgãos do Estado do Paraná.

A água utilizada na ducha é tratada com cloro e filtrada com carvão ativado, fazendo com que ela tenha 95% menos sal, 99% menos bactérias e coliformes e um pH 10% menor do que a água do mar.

A Sanepar alerta, entretanto, que, embora seja uma ótima forma de se eliminar a areia e o sal, a água das duchas não é própria para consumo e não deve ser ingerida.

Cada chuveiro tem capacidade para até 600 banhos por dia. Depois de utilizada, a água é devolvida ao mar.

A instalação do “Chuá” dispensa uso de materiais como cimento, areia e ferro e a utilização de bombas, energia elétrica e combustível. Os chuveiros são feitos de material reciclável, não precisam de manutenção a curto prazo, são duráveis e resistentes aos ventos e à salinidade.

ODS a que respondem: ODS 3 e 6.

PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DOS RIOS URBANOS - PRRU

Baixo custo e agilidade para identificar problemas na rede coletora de esgoto resumem o Programa de Revitalização de Rios Urbanos (PRRU). Rios e galerias são utilizados como indicadores de qualidade das redes de esgoto, e o parâmetro de análise é o Oxigênio Dissolvido. Iniciativa que tem contribuído gradativamente para aumentar a qualidade da água dos rios de Curitiba e melhorar a qualidade de vida da população.

Equipes da Sanepar percorrem os rios urbanos em busca de problemas nas redes coletoras e fazem um diagnóstico detalhado de cada local. A partir daí equipes da área operacional da Sanepar são acionadas para fazer o conserto das redes.

A comunidade também é parceira do PRRU. Os moradores do entorno dos rios onde o trabalho é desenvolvido contribuem para manter a qualidade da água por meio de um trabalho chamado de “Monitoramento Participativo”. A partir dele, a Sanepar mantém um cadastro de moradores que comunicam a empresa quando identificam focos de poluição nos rios. A sistemática de avaliação e a busca pela melhoria do projeto tomam forma durante as reuniões de análise crítica pelo grupo gestor interno, que discute os indicadores do projeto e os resultados na qualidade da água do rio. Os resultados também são comunicados à população em reuniões específicas.

ODS a que respondem: ODS 6 e 14.

SUSTENTABILIDADE DA ESCOLA AO RIO

Em meio ao crescimento urbano, muitas vezes os rios são vistos como obstáculos para o desenvolvimento. São canalizados, sofrem mudanças de curso, redução de volume e poluição das águas. Para estimular a conscientização e os cuidados com os rios urbanos, a Sanepar criou, em 2013, o projeto “Sustentabilidade: da Escola ao Rio”.

O objetivo principal é mobilizar alunos e professores, preferencialmente de cursos técnicos em Meio Ambiente, para ações socioambientais em rios urbanos.

Diversas escolas, em mais de 30 municípios, adotaram rios para monitorar e cuidar. Nesses locais onde o projeto ocorre, os alunos fazem o reconhecimento da bacia hidrográfica, coletas e análises da água para monitorar sua qualidade, plantio de árvores nativas, coleta e destinação adequada de resíduos, mobilização da comunidade ribeirinha e divulgação dos resultados do projeto. Tudo com a orientação de gestores socioambientais da Sanepar e com o apoio técnico e materiais oferecidos pela Companhia.

De 2013 até agora, já foram mais de 521 ações socioambientais abrangendo os 30 rios que são monitorados, com o envolvimento de mais de 10.000 pessoas.

ODS a que respondem: ODS 4, 6 e 14.

SE LIGUE NA REDE

O Programa Se Ligue na Rede foi criado para evitar a poluição dos rios por meio de ações sociais e ambientais. É realizado nas bacias hidrográficas onde a Sanepar implanta o sistema de esgotamento sanitário. Ele atende ao Manual de Fomento da Caixa Econômica Federal, a Portaria 21/2014 do Ministério das Cidades e a Política Nacional de Saneamento Básico.

Como funciona - São realizadas reuniões comunitárias nas áreas de intervenção, abordagens domiciliares para sensibilizar e orientar as famílias sobre a importância e a correta utilização do serviço. Além disso, também são feitas vistorias técnicas nos imóveis atendidos com a rede coletora de esgoto. Os moradores recebem informações sobre a obra na sua região, cronograma dos prazos, impactos gerados e orientações sobre as responsabilidades da população e da Sanepar.

Formação - A Sanepar promove eventos socioeducativos com moradores, assim eles se tornam disseminadores dos conceitos de sustentabilidade necessários ao saneamento ambiental e ao interesse coletivo, também capacita encanadores, para que façam a correta interligação das residências à rede de coleta de esgoto.  Atualmente, os trabalhos socioambientais estão presentes em 195 empreendimentos de esgotamento sanitário e, até agosto de 2017, já haviam atendido aproximadamente262 mil famílias, com expectativa de redução de cerca de 36 mil kg/dia do total de carga orgânica que hoje é lançada no meio ambiente.

Resultados - O Se Ligue na Rede é uma forma de investir na perspectiva da sustentabilidade financeira, social e ambiental do empreendimento. Seus resultados são bem percebidos na área operacional da Sanepar. Eles permitem o aumento do índice de interligações, a redução dos serviços de manutenção e a melhoria da qualidade do esgoto que chega às estações de tratamento. O Se Ligue na Rede já foi premiado na categoria Controle da Poluição, do Prêmio Expressão de Ecologia, em 2012, e também na VII edição do Prêmio Melhores Práticas em Gestão Local da Caixa, em 2011. Em 2015, foi finalista do Prêmio Inovação da Gestão em Saneamento (IGS), da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES).

ODS a que respondem: ODS 1, 6, 10 e 14.

RESÍDUOS SÓLIDOS

A Sanepar também atua na gestão de resíduos sólidos urbanos, operando os aterros sanitários de Cianorte, Apucarana e Cornélio Procópio.

O aterro sanitário de Cianorte foi o primeiro do Paraná a ter seu sistema de gestão ambiental certificado pela NBR ISO 14001:2004, concedida pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), e também foi o primeiro do Brasil a ser administrado por uma companhia estadual de saneamento, com processos sendo executados dentro do que preconizam as normas técnicas e ambientais. Além dos resíduos de Cianorte, o aterro recebe atualmente o resíduo sólido urbano das cidades de Guaporema, São Tomé e Terra Boa, somando aproximadamente 20 mil toneladas ao ano (dados de 2015).

Em Apucarana, a Sanepar gerencia o aterro nas etapas de recebimento, tratamento e disposição final de resíduos sólidos. São dispostos anualmente 28,6 mil toneladas de resíduos domiciliares nesse aterro. Em Cornélio Procópio, a Sanepar faz a gestão da coleta, transporte, transbordo, recebimento, tratamento e disposição final ambientalmente adequada de resíduos sólidos. O aterro recebe em torno de 11 mil toneladas ao ano (dados de 2015).

A gestão de resíduos sólidos traz benefícios para a população:

Redução da poluição do solo, da água e do ar;
Redução da exploração de recursos naturais;
Reaproveitamento de materiais que iriam para o aterro sanitário;
Aumento da vida útil dos aterros sanitários;
Redução do desperdício e do consumo de energia para fabricação de novos bens de consumo;
Geração de empregos;
Redução de custos com a saúde pública;
Cidade limpa, mais atraente para investimentos.
 
ODS a que respondem: ODS 6, 11, 14 e 15.

MORINGA CHEIA - PARCERIA COM O PRODUTOR RURAL

Em 2017, a Companhia lançou o Programa Moringa Cheia, que prevê um trabalho de recuperação de rios, nascentes e minas d’água que afetam o abastecimento dos Municípios que a Sanepar atende. Por meio dele, a Sanepar disponibiliza recursos para que proprietários rurais restaurem as áreas de preservação permanentes (APP) com ações que englobam terraceamento (técnica agrícola de plantio elaborada para a contenção de erosões causadas pelo escoamento da água em áreas de vertentes), adequação de carreadores, recomposição da vegetação ciliar e cercamentos de áreas em recomposição.

Reservatórios - Prioritariamente o Moringa Cheia contempla o manejo do entorno dos reservatórios da própria Companhia de maneira a demonstrar seu engajamento e comprometimento com a efetividade na melhoria da qualidade da água, assegurando que seus reservatórios sejam abastecidos com água infiltrada e não com água de enxurrada. O Reservatório Iraí já está sendo manejado segundo esse princípio.

Microbacias  de Abastecimento - São 255 as bacias de mananciais de abastecimento, as quais passaram a ser objeto de intervenção específica e objetiva por parte da Sanepar. Em conformidade aos ditâmes do Prosolo (Programa do Governo do Estado que visa o manejo de solo), no qual a Sanepar está integrada através do Subprograma Moringa Cheia, a intervenção prevista contempla de maneira pontual. as APPs de cada propriedade que compõe a microbacia

ODS a que respondem: ODS 6,14 e 15.

TRATE BEM A REDE


Por meio de parcerias pública e privadas a Sanepar prevê que 500 mil litros de óleo por mês sejam destinados corretamente por meio do programa Trate Bem a Rede.

O objetivo é conscientizar a população paranaense a dar o destino adequado ao óleo de cozinha usado e evitar danos ao meio ambiente e ao sistema de esgoto. O programa funciona como um modelo completo de logística reversa. Empresas, sociedade civil organizada e população fazem parte do ciclo para que o óleo se torne biodiesel, sabão e outros produtos. 

Os moradores podem depositar o óleo de cozinha nos diversos postos de coletas instalados nos atendimentos da Sanepar. 

Como funciona: As empresas privadas participantes do projeto distribuirão kits para a coleta do óleo de cozinha às organizações parceiras. Estas são responsáveis por abordar a comunidade, arrecadar o óleo e encaminhá-lo para as recicladoras de óleo de cozinha, gerando receita para as entidades. As famílias que participarem vão receber um funil em forma de esfera que serve, exclusivamente, para o descarte de óleo usado em garrafas PET.

Entre as organizações parceiras da Sanepar no Se ligue nessa ideia, Sem óleo na rede já estão a Polícia Militar do Paraná, o Corpo de Bombeiros, as igrejas Católica e do Evangelho Quadrangular e as escolas estaduais com curso técnico em meio ambiente.

"Se ligue nessa ideia, sem óleo na rede": Dentro do Programa Trate Bem a Rede, a Sanepar criou este projeto com o objetivo de conscientizar os empregados sobre os riscos do descarte inadequado do óleo de cozinha, que pode provocar entupimento e prejuízo à rede coletora de esgoto. Em 2017 foram coletados 4.018lt destinados a parceiro. Existem aproximadamente 128 pontos em 20 cidades do estado.

ODS a que respondem: ODS 6 e 14.

GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS AQUÍFEROS

A Sanepar utiliza a água disponível nos mananciais subterrâneos, ou aquíferos, para abastecer a população de todas as regiões do Paraná. A extração desta água é feita após a perfuração de poços tubulares profundos. Atualmente estão em operação cerca de 1.000 poços perfurados em dez aquíferos: Cristalino, Karst, Furnas, Itararé, Rio Bonito, Paleozóico, Guarani, Serra Geral, Caiuá e Guabirotuba. Na utilização dos aquíferos, a Sanepar aplica as melhores práticas de sustentabilidade para garantir o abastecimento, por meio destes mananciais, às futuras gerações. Para tanto, monitora cada poço em operação.

  1. Monitoramento de poços

Em atendimento à sua Política Ambiental, que estabelece entre outros compromissos o de conservar os recursos hídricos, a Sanepar implantou em 1998 o Plano de Monitoramento Quantitativo e de Avaliação das Condições de Exploração dos Poços em Operação. O monitoramento constante possibilita definir com maior precisão e confiabilidade as reservas disponíveis e os volumes que podem ser extraídos sem comprometer cada um dos mananciais.

  • Monitoramento do Aquífero Karst

A extração da água do Aquífero Karst, pela Sanepar, para o abastecer os moradores dos municípios de Almirante Tamandaré, Bocaiúva do Sul, Campo Largo, Campo Magro, Colombo, Itaperuçu e Rio Branco do Sul foi objeto de profundos estudos hidrogeológicos e ambientais.

  • Monitoramento do demais aquíferos 

As informações do monitoramento dos poços explorados pela Sanepar nos demais aquíferos são avaliadas anualmente. Para cada poço é emitido o Boletim de Avaliação das Condições de Exploração – (BACE). Após análise dos BACEs são estabelecidas as condições de exploração sustentável para cada poço em operação.

  1. Vulnerabilidade dos aquíferos à contaminação

Tão importante quanto as diretrizes para a universalização dos serviços de saneamento básico, para a melhoria da qualidade de vida da população, é o entendimento da poluição/contaminação dos mananciais superficiais e subterrâneos por esgoto doméstico. Quando a fonte de abastecimento de água são poços tubulares profundos, localizados principalmente nas sedes urbanas, é incompatível e inaceitável extrair e distribuir água contaminada pela ausência de uma ação efetiva do próprio agente concessionário do Sistema de Saneamento Básico e/ou usuários particulares que se utilizam desta fonte de abastecimento.

Os aquíferos são patrimônio de toda a sociedade. Todos os que os exploram seja para abastecimento público, atividades comerciais, industriais, agrícolas, turísticas, etc, devem atuar com responsabilidade, garantindo sustentabilidade, por meio da extração condizente com a capacidade de oferta, não de necessidade, e assegurando a devida proteção ambiental para toda a área de cada aquífero.

ODS a que respondem: ODS 6 e 14.

GRUPO GESTOR DE REVITALIZAÇÃO DO RIO IGUAÇU – GGRI

O Grupo Gestor de Revitalização do Rio Iguaçu (GGRI)é grupo um formado por diversas instituições e tem como missão trabalhar pela revitalização, despoluição e preservação do maior rio do Paraná: o Rio Iguaçu. Seu trabalho está ligado ao Projeto de Revitalização do Rio Iguaçu, instituído pelo Decreto 1.589/2015, em 2 de junho de 2015 e publicado no Diário Oficial 9.465 no dia seguinte. O mesmo decreto instituiu o Comitê de Coordenação Estratégica para coordenar as ações do Projeto de Revitalização do Rio Iguaçu. Do comitê participam a Vice-Governadora, os secretários da SEMA, SEPL, SEAB, SEDU e os presidentes da SANEPAR e da COPEL. A coordenação do Comitê cabe à Vice-Governadora e, no seu impedimento, ao secretário da SEMA.

O GGRI é composto por dois membros (sendo um titular e outro suplente) das seguintes instituições:

  • Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMA);
  • Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento (SEAB);
  • Secretaria de  Estado do Planejamento e Coordenação Geral (SEPL);
  • Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano (SEDU);
  • Companhia de Saneamento do Paraná (SANEPAR);
  • Companhia Paranaense de Energia (COPEL);
  • Instituto das Águas do Paraná (ÁGUAS PARANÁ);
  • Instituto Ambiental do Paraná (IAP);
  • Casa Civil;
  • Instituto LACTEC.

ODS a que respondem: ODS 6 e 14.

MASPP – METODOLOGIA DE ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS APLICADA À PERDAS DE ÁGUA

A aplicação do MASP nos processos relacionados a perdas de água: produção, distribuição, manutenção e comercial. Procurando fornecer uma abordagem sistemática e estruturada para a gestão e controle dos processos, com o objetivo de reduzir o volume de perdas de água na produção e distribuição. 

Desta forma, busca-se a melhoria da eficiência operacional, para que os processos sejam capazes de atingir as metas definidas no planejamento.

ODS a que respondem: ODS 6 e 12.

PRÊMIO CURUPIRA

O Prêmio Curupira é um concurso interno promovido pela Diretoria de Meio Ambiente e Ação Social – DMA e tem por objetivo selecionar, reconhecer e premiar as boas práticas realizadas pelos empregados da DMA em sua função e, assim, estimular o desenvolvimento da Área, aprimorar o seu relacionamento com a sociedade paranaense, bem como divulgar práticas inovadoras que beneficiem a comunidade e também o meio ambiente.

ODS a que respondem: ODS 3, 6 e 9.